Arquivos

A Crucificação e Ressurreição de Jesus Cristo

cruz cristo

Crucificação de Jesus Cristo – Sua Morte
A crucificação de Jesus Cristo e Sua ressurreição são os dois mais importantes eventos da história humana. Por quê? Por causa da morte de Cristo, a raça humana tem a oportunidade de obter salvação eterna.

Todos os quatro Evangelhos do Novo Testamento falam da crucificação de Cristo. Esses autores nos dão narrativas gráficas da prática da Roma antiga. Veja aqui alguns dos pontos principais da crucificação:

  • Jesus foi preso no Jardim do Getsêmani (Marcos 14:43-52).
  • Jesus passou por seis julgamentos – três por líderes judeus e três pelos romanos (João 18:12-14, Marcos 14:53-65, Marcos 15:1a, Marcos 15: 1b-5, Lucas 23:6-12, Marcos 15:6-15). Jesus sofreu espancamento, açoites dolorosos, assim como mangação (Marcos 15:16-20).
  • Pilatos tentou entrar em um acordo com os líderes judeus ao permitir que espancassem Jesus, mas esse ato não lhes satisfez. Pilatos entregou Jesus para ser crucificado (Marcos 15:6-15).
  • Jesus foi ridicularizado pelos soldados à medida que O vestiam com uma manta roxa e uma coroa de espinhos (João 19:1-3).
  • Jesus foi crucificado no Gólgota, que significa Lugar da Caveira. (Marcos 15:22). O céu permaneceu escuro por três horas (Marcos 15:33).
  • Jesus clamou: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou” (Lucas 23:46).

O autor Arthur W. Pitt descreve a crucificação dessa forma: “Com as costas sangrentas, carregando Sua cruz sob o calor do meio-dia, Ele (Jesus) caminhou às alturas do Gólgota. Alcançando o lugar selecionado de execução, Suas mãos e pés foram pregados à Madeira. Por três horas, Ele ficou pendurado com fortes raios de sol sendo lançados à Sua cabeça machucada com uma coroa de espinhos. Depois disso, escuridão tomou conta pelas próximas três horas. Aquela noite e dia foram horas nas quais uma eternidade foi resumida.”

O Salvador do mundo tinha emergido de três horas de escuridão, durante as quais Ele estava separado do Deus Pai. Por que Deus Pai tinha se afastado dEle? É contra o caráter de Deus encarar o pecado, então Deus se retirou de qualquer comunicação com Seu Filho enquanto Jesus carregava a culpa pelos pecados do mundo.

Crucificação de Jesus Cristo – Seu enterro e ressurreição
Logo após a crucificação de Jesus Cristo, José de Arimateia pediu a Pilatos pelo corpo de Jesus. Ele recebeu permissão de enterrar Jesus, então trouxe finos planos de linho, embalou o corpo, colocou Jesus no túmulo e colocou uma grande pedra na entrada. Jesus ficou no túmulo por três dias. Depois do Sábado, Maria Madalena, Maria (mãe de Jesus) e Salomé prepararam aromas para ungir o corpo de Jesus. Quando chegaram ao túmulo, a pedra já tinha sido movida! Eles entraram no túmulo, onde um anjo disse: “Ele, porém, lhes disse: Não vos atemorizeis; buscais a Jesus, o nazareno, que foi crucificado; ele ressurgiu; não está aqui; eis o lugar onde o puseram. Mas ide, dizei a seus discípulos, e a Pedro, que ele vai adiante de vós para a Galileia; ali o vereis, como ele vos disse” (Marcos 16:6-7).

A ressurreição do Senhor Jesus Cristo é fundamental para o Cristianismo. Primeiramente, a ressurreição de Cristo foi predita 1.000 anos antes de acontecer. Em Segundo lugar, ela ocorreu apesar das forças inimigas colocadas na Sua tumba para prevenir tal coisa de acontecer. Em terceiro lugar, o Senhor Jesus Cristo mostrou-se vivo, com muitas infalíveis provas após a Sua ressurreição.

As mulheres O viram. Os apóstolos O viram. Os homens na Estrada de Emaús O viram. Tomé foi convidado a colocar seus dedos dentro das feridas de Jesus provocadas pela crucificação. Então, o Cristo ressureto apareceu a Saulo de Tarso na Estrada para Damasco. De fato, quando Paulo escreveu sua 1ª carta aos Coríntios, mais de 500 testemunhas da ressurreição de Cristo ainda estavam vivas, e isso era mais de 20 anos depois. Tão importante é a ressurreição corporal de Jesus Cristo dentre os mortos, que Paulo escreveu, “E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.” (1Corintios. 15:14).

VOCÊ CONHECE ALGUÉM QUE TENHA REGISTROS SAGRADOS, QUE TENHA REALIZADO ALGUMA COISA, APÓS SUA RESSURREIÇÃO, ALÉM DE JESUS CRISTO?

Vou mais além:

A morte de Cristo foi redentora;

A morte de Cristo foi sacrificial;

A morte de Cristo foi predita;

A morte de Cristo obteve muitos significados.

A morte de algum outro foi assim também?

Crucificação de Jesus Cristo – Seu presente eterno
O que a crucificação de Jesus Cristo tem a ver com você? Deus, sendo onisciente, sabia que você não podia viver a vida sem pecado necessária para entrar no céu. Então Ele decidiu oferecer a Si mesmo em seu lugar. Ele fez isso ao se tornar um homem na pessoa de Jesus Cristo, Seu único Filho. Jesus viveu uma vida sem pecado aqui na terra.

Deus tinha dito que a punição do pecado seria a morte. Já que todos nós pecamos (Romanos 3:23, 6:23), necessitamos que alguém sem pecado morra em nosso lugar. Jesus, sendo sem pecado, morreu em nosso lugar e se tornou a graça salvadora do mundo. Ele morreu por você! Romanos 5:10 diz: “Porque se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida”.

A Bíblia diz: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (Atos 16:31). Ir à igreja ou fazer boas obras não vão contribuir à sua salvação. Deus te salva por causa de Sua graça.

Jesus está lhe oferecendo o dom da vida eterna. Você vai aceitá-la através da fé?

Pense nisso…

…:::Ariane Mirabelli:::…

No Próximo post, a Crucificação e a Ressurreição de Jesus.

São muitas as histórias que ouvi,
Falando sobre a vida de Jesus.
Milagres incontáveis que não vi,
Dores que ninguém jamais pode sentir…
Tantos sacrifícios Ele fez,
Renunciou sua vida por amor,
Nasceu como um homem, sendo o próprio Deus,
E foi rejeitado pelos seus.
Mas de tudo isso que passou,
Não há gesto de maior valor,
Do que o sacrifício que nos trouxe a luz,
O sacrifício lá na cruz!!

O Sacrifício, feito por Cristo,
Não se resume aquele lá na cruz…
Deixar o seu trono e viver o sonho,
De ter-nos novamente em sua luz.
Foi um ato de amor,
Mais o que na verdade nos salvou,
Foi de todos o maior,
O sacrifício lá na cruz!!!

Ainda penso em tudo o que ouvi,
Como pode um homem amar-nos tanto assim?
Levando em seus ombros meu pecar,
Assumindo toda a culpa em meu lugar,
O que farei, pra que tudo o que Ele fez não seja em vão, mas transforme o coração?
O sacrifício feito lá na cruz pra mim,
Agora tenho que retribuir!

O sacrifício que nos trouxe salvação,
Eu vou aceitar, não vou negar!!!

Foi de todos, o maior!!
O Sacrifício lá na cruz!!!

O Plano de Salvação – Parte II

1pedro2_24

Continuando o post anterior, neste capítulo, vou abordar sobre a vida de Jesus Cristo, que se despiu de sua santidade e se fez homem, morrendo por mim e por você, para pagar os nossos pecados e nos fazer digno de ter livre acesso a Deus!
Você, me questiona neste momento: – Ariane, mas isso é possível?! Eu te respondo: – Deus é Deus… Ele pode todas as coisas, e o amor dele por mim e por você é tão grande que deu o seu único filho, para que morresse por nós. Esse foi o preço que Satanás pediu. Preço de sangue. Sangue de um inocente. Não havia ninguém sobre a terra, apenas Jesus, que, desde a formação do mundo, Ele já existia. Você encontra as respostas, lendo a bíblia, o primeiro e o único livro verdadeiramente escrito por Deus, o livro mais lido no mundo e também o mais perseguido no mundo, pois, Satanás sabe, que se as pessoas começarem a ler a bíblia, encontrarão o verdadeiro caminho para ser abençoado, para ter acesso a Deus e, principalmente, a vida eterna; por isso há ainda a perseguição para quem segue a Cristo. Bem, vamos ao que interessa, vamos a vinda de Jesus Cristo à Terra e sua morte de Cruz, necessária para a nossa salvação.

A VIDA DE JESUS

Para poder ser nosso substituto legal, deveria viver com os mesmos recursos que temos à nossa disposição. Usar poderes divinos, que não temos, seria trapaça. Sendo Deus, e tendo vindo à Terra para morrer em nosso lugar, será que Jesus usou Seus poderes divinos para derrotar o diabo e poder assim viver sem pecado? Será que Ele tinha algum recurso que nós hoje não temos?

Vendo Seu nascimento e Sua infância, percebemos que até aí era exatamente igual a todos os bebês que nascem até hoje. Frágil e dependente da proteção de Seus pais terrenos, pois estava sujeito a perigoso ataques do inimigo Satanás.

Logo que nasceu, o rei Herodes tentou matá-Lo. Como não sabia como encontrá-Lo, mandou que seus soldados matassem todos os meninos nascidos na cidade de Belém, da idade de 2 anos para baixo. Jesus só não foi morto porque Deus Pai mandou um anjo avisar em sonhos a José, o esposo de Maria, para fugir para o Egito antes que os soldados de Herodes chegassem.

Aos 8 dias de idade foi apresentado ao Deus no Templo, e cresceu como uma criança normal, trabalhando com Maria e José, obediente e humilde. Acostumou-Se a estudar as Escrituras com Sua mãe e a orar com freqüência para buscar forças em Deus Pai. Trabalhou para sustentar-Se, e era carpinteiro com José, até a idade de uns 30 anos, quando foi procurar Seu primo João Batista, para ser batizado no rio Jordão. A partir desta época, começou a reunir Seus primeiros discípulos e a ensiná-los sobre o Reino dos Céus, frequentando a sinagoga aos sábados e aproveitando as reuniões para ensinar o povo, curar os enfermos e fazer muitos milagres pelo poder de Deus Pai.

Desde o começo Jesus sabia muito bem o que Lhe estava reservado no cumprimento de sua missão de amor em nosso favor. Sabia perfeitamente que o preço de nossa salvação seria a Sua vida.

O livro do Apóstolo MATEUS, no capítulo 26 diz:

2 Sabeis que daqui a dois dias é a páscoa; e o Filho do homem será entregue para ser crucificado.

Sabia também que o método usado para prendê-Lo seria a traição e a mentira, buscando um modo de não causar tumulto entre o povo.

3 Então os principais sacerdotes e os anciãos do povo se reuniram no pátio da casa do sumo sacerdote, o qual se chamava Caifás; 4 e deliberaram como prender Jesus a traição, e o matar. 5 Mas diziam: Não durante a festa, para que não haja tumulto entre o povo.

  Sabia que seria um de Seus amigos mais chegados o que iria entregá-Lo, que iria vendê-Lo a Seus inimigos.

14 Então um dos doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os principais sacerdotes, 15 e disse: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E eles lhe pesaram trinta moedas de prata.16 E desde então buscava ele oportunidade para o entregar.

Depois de comer a ceia de páscoa com os apóstolos, saiu com eles para o Monte das Oliveiras, para orar. Ali sentiu o peso dos pecados de todo o mundo sobre Seus ombros. Sentiu a dor da separação que o pecado causa entre os homens e Deus, pois ao tomar sobre Si os pecados do mundo, por eles foi separado de Deus Pai. Essa separação causava-Lhe uma dor de alma terrível. Enquanto orava, chegou a pedir ao Pai que, se possível, afastasse dEle o cálice de sofrimentos e humilhações que deveria beber. Pediu ao Pai que, se possível, afastasse aquele cálice, mas que se fizesse sempre a vontade de Deus.

Sofrendo ao ver Seu Filho sofrer, Deus Pai não consentiu em aliviar o sofrimento de Seu Filho por amor a nós, e permitiu que fosse até o final em Seu sacrifício. Tudo quanto Cristo sofreu sobre a Terra, também sofreu Deus Pai e Deus Espírito Santo, e tudo foi por sua causa e por minha causa.

Então Cristo avisou Seus discípulos de que havia chegado a hora, que o traidor se aproximava.

46 Levantai-vos, vamo-nos; eis que é chegado aquele que me trai. 47 E estando ele ainda a falar, eis que veio Judas, um dos doze, e com ele grande multidão com espadas e paus, vinda da parte dos principais sacerdotes e dos anciãos do povo. 48 Ora, o que o traía lhes havia dado um sinal, dizendo: Aquele que eu beijar, esse é: prendei-O. 49 E logo, aproximando-se de Jesus disse: Salve, Rabi. E o beijou. 50 Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Nisto, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e O prenderam.

Depois de passar mais de três anos convivendo com Jesus, Judas teve coragem de vender Seu Amigo e de entregá-Lo com um beijo. Mesmo nessa hora Jesus ainda lhe deu oportunidade de arrepender-se. Chamou-o mais uma vez de “amigo”.

51 E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha.

Pedro, impulsivo, tentou defender Jesus ao seu modo, mas sua atitude não foi aprovada. Jesus não precisava de proteção humana, pois estava a entregar-Se de livre vontade.

52 Então Jesus lhe disse: Mete a tua espada no seu lugar; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. 53 Ou pensas tu que eu não poderia rogar a meu Pai, e que ele não me mandaria agora mesmo mais de doze legiões de anjos?

Jesus sabia que as Escrituras já haviam predito as condições de sua prisão e morte, e sabia como tudo iria acontecer. Então disse a Pedro e aos demais:

54 Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça? 55 Disse Jesus à multidão naquela hora: Saístes com espadas e paus para me prender, como a um salteador? Todos os dias estava eu sentado no templo ensinando, e não me prendestes. 56 Mas tudo isso aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas. Então todos os discípulos, deixando-O fugiram.

Então, ficando Jesus com os que o haviam prendido, foi levado para julgamento.

57 Aqueles que prenderam a Jesus levaram-no à presença do sumo sacerdote Caifás, onde os escribas e os anciãos estavam reunidos.

            As leis judaicas proibiam que qualquer pessoa fosse presa à noite, mas a Jesus prenderam durante a noite.

O julgamento de Jesus teve início em seguida, na casa do sumo-sacerdote Caifás. Justamente na casa daquele que, como chefe da igreja judaica, deveria ter sido o primeiro a reconhecer Jesus como o Enviado de Deus, como o Salvador prometido. Apesar de todos os milagres que havia feito em mais de três anos, provando que o poder e a autoridade dos Céus estavam sobre Ele, Caifás fechou os olhos à verdade e presidiu o julgamento de Jesus. Cristo foi esbofeteado, surrado, coroado com um capacete de espinhos, ofendido e humilhado durante o resto da noite.  As leis judaicas proibiam que alguém fosse julgado à noite, mas a Jesus julgaram durante a noite.

Os judeus estavam sob domínio dos romanos, e por isso não tinham poder para condenar ninguém à morte. Então Caifás mandou Jesus para Pilatos, governador romano, para que fosse julgado por ele e morto. Pilatos não achou qualquer culpa em Jesus e decidiu soltá-Lo. Como era costume, durante as festas da Páscoa os romanos soltavam um criminoso condenado à morte. Para não contrariar a multidão que acompanhava o interrogatório de Jesus, Pilatos perguntou ao povo se desejavam que soltasse a Jesus ou a Barrabás, um famoso bandido que estava preso aguardando a morte.

MATEUS capítulo 27, diz:

21 O governador, pois, perguntou-lhes: Qual dos dois quereis que eu vos solte? E disseram: Barrabás. 22 Tornou-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, que se chama Cristo? Disseram todos: Seja crucificado. 23 Pilatos, porém, disse: Pois que mal fez ele? Mas eles clamavam ainda mais: Seja crucificado. 24 Ao ver Pilatos que nada conseguia, mas pelo contrário que o tumulto aumentava, mandando trazer água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Sou inocente do sangue deste homem; seja isso lá convosco.

Ao ver a fúria do povo, Pilatos não teve coragem de mandar soltar a Jesus, como sabia que deveria ser feito; lavou suas mãos, simbolizando assim que não tinha nada a ver com a morte de Jesus.

25 E todo o povo respondeu: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos. 26 Então lhes soltou Barrabás; mas a Jesus mandou açoitar, e o entregou para ser crucificado.

Apesar de saber que Jesus era inocente, ainda assim mandou açoitá-Lo antes de O entregar para ser morto na cruz.


No próximo post, vou falar sobre a crucificação de Jesus Cristo e qual o significado desse ato. No que este ato influencia na minha e na sua vida física e espiritual.

Fiquem na paz do Senhor…

…:::Ariane Mirabelli:::…

O Plano de Salvação – Parte 1

Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. João 8:58

Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.
João 8:58

Jesus existe desde a fundação do mundo, Ele estava presente quando o mundo foi formado. Ele se despiu da sua divindade e veio ao mundo em carne e osso, como um ser humano. Jesus foi fundamental para que eu e você tenha a vida eterna, pois o preço que ele pagou na cruz foi um preço de sangue. Vamos ler o texto abaixo pois é muito importante para a nossa compreensão sobre o Plano de Salvação de Deus, ao qual Jesus é o centro.

Para entender a bíblia e saber quem é Jesus, é preciso saber desde o início, saber sobre Deus, os Anjos e principalmente saber sobre Lúcifer, o Anjo decaído, mais conhecido por Satanás. Existem três livros na bíblia que falam sobre Lúcifer, são eles: Ezequiel 28:13-19, Isaías 14  e Apocalipse 12:4-12.

Por que Lúcifer se rebelou tornando-se o diabo? Ele acreditava que poderia se tornar Deus, assentar-se em Seu trono, porque foi Cristo que o criou (todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. – João 1:3), e deu-lhe tudo, incluindo a liberdade de escolha e a posição de querubim chefe junto ao trono e, portanto, possuía grande autoridade. (Ezequiel. 28:14 e 15).

Lúcifer era o ser criado mais exaltado no Universo. Ele deveria sentir gratidão e saber que Aquele que o criou era o Criador e não o ser criado. A criatura nunca poderá se tornar o criador. No entanto, foi isso o que Satanás buscou ser. O orgulho é cego. Assim, o pecado, que é rebelião contra Deus, teve suas raízes na exaltação pessoal e dependência de si mesmo. Lúcifer sabia que dependia de Cristo para sua vida, no entanto sempre enfatizava o “eu”, em atitude de independência (a idéia aparece cinco vezes em Isaías. 14:13 e 14).

A rebelião de Lúcifer não foi pública de início. Começou em sua mente. É aí onde iniciam todos os pecados. O pecado não é apenas o ato exterior, é o pensamento interior. Lúcifer se tornou Satanás na mente. Ele ponderou a respeito da posição ocupada por Cristo e passou a invejá-Lo. Queria tomar o trono daquele que recebeu o trono e passou a odiá-Lo. O ódio contra alguém é assassinato (veja 1 João 3:15), e é por isso que Deus o chamou de assassino e mentiroso desde o início (veja João 8:44). A inveja e o ódio de Satanás por Cristo levaram-no a lançar uma campanha de desinformação contra Ele entre os anjos (veja Apocalipse 12:10).

A bíblia diz a respeito de Satanás: “Você era inculpável em seus caminhos desde o dia em que foi criado até que se achou maldade em você” (Ezequiel 28:15 e 16). Satanás, de forma silenciosa se revoltou contra Deus, invadiu a paz e a alegria do Céu com o egoísmo. “Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira” (João 8:44). Satanás reivindicou ser a melhor opção para governar o Céu. Sua influência permeou o paraíso como o câncer. Um terço dos anjos aceitaram os seus enganos e lançaram sua sorte com ele (veja Apocalipse 12:4). Tristemente são proferidas as palavras: “Como você caiu dos Céus, ó estrela da manhã, filho da alvorada! Como foi atirado à Terra, você, que derrubava as nações! Você, que dizia no seu coração: Subirei aos Céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembléia, no ponto mais elevado do monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo” (Isaías. 14:12-14). Satanás queria assumir o lugar de Cristo. Desejava ser igual a Ele na posição, não no caráter. Seu desejo de poder era movido por motivos egoístas. Queria ser Deus. Não surpreende que tenha forçado Cristo, no deserto, a prostar-Se e adorá-lo! (Veja Mateus 4:8 e 9).

Satanás, o príncipe deste mundo

Depois que foi expulso do Céu, Satanás colocou seu foco no planeta Terra com o fim de levar a raça humana a se rebelar contra Deus (veja Gênesis 3:1-5). Satanás sabia que Deus havia dado a todas as criaturas, angelicais e humanas, a liberdade de escolha. Foi o mau uso dessa liberdade que levou Lúcifer e seus anjos a se rebelarem e agora ele empregaria a mesma técnica com  Adão e Eva, feitos à imagem de Deus (veja Gênesis 1:26 e 27), eram seres livres. Podiam conversar com Deus, e Deus esperava que servissem e obedecessem voluntariamente e por amor. Novamente o mau uso da liberdade por parte de Adão e Eva levou-os e a toda a humanidade a serem escravos do pecado e de Satanás. Deus sabia que a liberdade era um risco, mas valia a pena correr esse terrível risco visto que no fim da história todos os seres criados escolherão livremente seguir a Cristo para sempre.

Deus advertiu Adão e Eva de que podiam morrer caso comessem do fruto proibido (veja Gênesis 2:16 e 17). Mas Satanás, na forma de uma serpente, disse a Eva: “Certamente não morrerão! Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se abrirão, e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e do mal” (Gênesis 3:4 e 5). Eva duvidou da palavra de seu Criador e aceitou a palavra do tentador.

Desta forma, por meio de Adão e Eva o pecado entrou no mundo, e toda a humanidade foram feitos prisioneiros dele e de seus efeitos (veja Romanos 5:12). Pois, Satanás pretendia ser o senhor da Terra (veja Jó 1:7).

Jesus chamou-o de “príncipe deste mundo” (João 12:31), e Paulo disse que ele é “O deus desta era” (II Coríntios. 4:4). Como príncipe e deus deste mundo, Satanás reivindicou a raça humana como lhe pertencendo. Mas Cristo veio a este mundo para reconquistar o mundo perdido.

Sem a intervenção divina, estariam condenados à morte. A única esperança era que Alguém morresse no lugar, o preço era de sangue; pois satanás exigiu isso para Deus, quando foi questionado qual o preço para o resgate da humanidade. Mas para a troca poder ser legalmente válida, o Substituto deveria levar uma vida sem pecado, pois do contrário deveria morrer por Seus próprios pecados, sem poder oferecer Sua vida pela de ninguém. Em todo o vasto Universo não havia ninguém sem pecados, apenas o Deus Filho, Cristo Jesus, poderia preencher tal condição, e livremente ofereceu-Se ao Pai para vir ao nosso mundo em carne, igual a qualquer um de nós, demonstrar que, por uma vida perfeita e piedosa, é possível se viver de acordo com a Lei de Deus, e então morrer pelos nosso pecados. Foi por isso que Jesus veio a esse mundo, cumprindo todas as profecias sobre ele.

Em João 3:16 diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

Até o próximo post, onde vamos falar sobre a vida de Jesus e sua crucificação e qual o significado desse ato de morte de cruz, onde foi lavado com sangue inocente todos os pecados que estava sobre a humanidade.

Fiquem na paz do Senhor…

…:::Ariane Mirabelli:::…

A Palavra da Salvação

01442 - BIBLIA - CAPAS PARA FACEBOOK

A bíblia é o livro dos livros. Concebido no céu, nascido na terra, inspirado por Deus, escrito pelos homens, pregado pela igreja, odiado pelo inferno, crido pelos fiéis. A Bíblia é o livro mais lido no mundo e também é o mais perseguido. É o livro que tem se saído vitorioso das fogueiras da intolerância. É a bigorna divina que tem quebrado os martelos dos críticos. Passam-se os céus e a terra, mas a Palavra jamais passará. A palavra de Deus é poderosa. Despede chamas de fogo e faz tremer o deserto. Tem vida em si mesma. É o sopro do Todo-Poderoso Deus. Sempre viva, sempre atual.

Sua veracidade é provada pela sua unidade na diversidade. Há mais de quarenta escritores, de diferentes culturas e línguas, em um período de 1.500 anos e não há qualquer contradição ou conflito. Suas centenas de profecias são específicas e concretas e elas se cumpriram literalmente, estão se cumprindo e se cumprirão, porque o autor das Escrituras é o Deus Todo-Poderoso, aquele que conhece o fim desde o começo. Deus chama os pecadores à salvação em Cristo por meio da sua Palavra. A fé vem pelo ouvir da pregação da palavra. Bendita Palavra! Eterna Palavra!

Maravilhoso Deus, engrandecido seja o Teu nome pelas Sagradas Escrituras, pois por meio da Sua Palavra Tu falas conosco!

Fiquem na paz do Senhor…

…:::Ariane Mirabelli:::…

Os números de 2012

Os Anjos das estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

600 pessoas chegaram ao topo do Monte Everest em 2012. Este blog tem cerca de 5.700 visualizações em 2012. Se cada pessoa que chegou ao topo do Monte Everest visitasse este blog, levaria 10 anos para ter este tanto de visitação.

Clique aqui para ver o relatório completo