Arquivo | novembro 2012

Depender de Deus

“Os meus tempos estão nas tuas mãos; livra-me das mãos dos meus inimigos e dos que me perseguem…” (Salmos 31:15)

Encontramos neste salmo, Davi angustiado, passando por momentos difíceis, por que não dizer que sua vida estava sendo atingida por uma tempestade? Em todo o salmo podemos extrair muitas lições que servirão para o nosso cotidiano. Não podemos deixar de perceber o que esta passagem transmite para nós: segurança, confiança e acima de tudo à experiência da dependência de Deus. O que eu pude observar que desde o primeiro versículo, ele nos revela Deus como sua fortaleza, revela também Davi pedindo ajuda, socorro, clamando por justiça. E também não poderia deixar de mencionar que ele revela a bondade e misericórdia de Deus. Confiança, Fé e arrependimento são as bases para se alcançar á misericórdia de Deus. Como será que se encontra a sua vida? Atribulada pelas perseguições? Decepcionado com as injustiças? Veja o que Davi queria nos passar: tenha fé, confiança, creia e passe a depender de Deus.

         Quando Davi disse, nas tuas mãos estão os meus dias, ele estava querendo dizer que a vida dele estava entregue nas mãos de Deus. Não diferente de Davi, nós não estamos imune às tempestades, aos problemas e dificuldades. Muitas inquietações de nossa vida são provenientes, ou seja, vem de Satanás, por que ele semeia no coração do homem o ódio, a inveja e as ambições. Esses atributos que provém do inimigo das nossas almas, satanás, já são suficientes para perturbar a humanidade. Onde causam angústias e tristezas na vida de muitas pessoas. Porém se alguém está sendo perseguido ou sofrendo algum problema semelhante, será em vão a sua persistência naquilo que não podemos solucionar, porque é só sofrer mais.
No evangelho de Lucas (23:46); o próprio Jesus mostrou dependência do pai (o Deus que criou os céus e a terra), crucificado na cruz ele clamou em alta voz, Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.
Analise agora a vida de Jonas, (1:3-7) depois que ele tentou fugir da presença de Deus, para não realizar a sua obra. O que foi que aconteceu? O sofrimento foi maior, agora eu encontro um homem que tentou direcionar os seus próprios caminhos, ou seja, não estava mais na direção de Deus, não dependia mais de Deus, pelo contrário estava na contra mão de Deus. Relata a bíblia no livro de Jonas (2:2-9) que ele o próprio Jonas recorreu a Deus, em clamor do ventre do grande peixe para Deus livrá-lo da morte. Observe que para se relacionar com Deus ou melhor para obter algo de Deus; como escape; livramento, refúgio, socorro, milagres; enfim vitórias. Têm que haver uma total submissão a Deus, depois é que vem á resposta como socorro bem presente.
Como nós estamos? Como está a nossa vida? Como está o nosso altar? Realmente dependemos de Deus? Se nós dependemos de Deus não devemos nos preocupar com as perseguições. Deus deixará todos os nossos perseguidores confundidos, os que nos perseguem, tratarão com o próprio Deus.
Dependência de Deus em meio aos problemas, as perseguições e as injustiças entregue a Ele, creia, socorra-se de Deus. Não importa qual a área da sua vida que foi atingida, se for enfermidade, a palavra de Deus, nos assegura através de um relato que encontramos no evangelho de João (5:1-9), narra a história de um homem paralítico, que passou cerca de trinta e oito anos, junto há um tanque sagrado, esperando ser curado (5:7), o texto nos leva a entender que ele estava esperando pelo o homem, ou seja, dependendo de alguém para colocá-lo no tanque, Observe que enquanto o homem estiver dependendo dele mesmo ou de outra pessoa, o quadro se complica, a situação se agrava ainda mais e nada acontece. Você não vai passar de ser apenas um espectador das bençãos dos outros. Sempre será a aquela mesma rotina para você, a mesmice de sempre, por que não dizer uma decepção, tristeza, medo das perseguições e risco de morte. Mas aprenda uma lição hoje, passe a depender de Deus. O paralítico do tanque de Betesda, bem pertinho de Jesus disse as seguintes palavras, não tenho ninguém que me ponha no tanque, ele estava  esperando ou dependo da ajuda humana, saiba que quem faz é Deus, quem realiza o meu e o seu milagre é Deus, foi Ele que deu vitória a Davi sobre seus inimigos e perseguidores.
Não importa se estamos passando pelo fogo, porque Deus entra no fogo conosco, como o quarto homem na fornalha de fogo ardente, da mesma maneira que esteve com os três jovens hebreus (Deuteronômios 3:24-25). Se você está passando pelo deserto, não se preocupe dependa de Deus, tão somente dele, que o Senhor estará contigo nesse deserto. Da mesma maneira que o Senhor esteve com Moisés e seu povo no deserto; durante o dia, o Senhor ia adiante deles numa coluna de nuvem, que os conduzia e os protegia do castigante sol e durante a noite numa coluna de fogo que os iluminava, porém encontramos na bíblia que nunca se apartou do povo a coluna  de  nuvem durante o dia e nem a coluna de fogo durante a noite (Exôdo 13:21-22).
         Vamos depender de Deus, ainda que estamos vivendo uma tempestade em nossas vidas, não vamos temer; vamos depender de Deus, pois quando menos esperarmos, o Senhor se levantará e acalmará a tempestade. Sabe por quê? Porque Ele está no barco conosco. Afinal, Deus não está em nossas vidas? Não entregamos a nossa vida a Ele? Ou melhor, os nossos dias não estão nas mãos de Deus?
Creio que os homens que alcançaram prosperidade em seu ministério, e chegaram ao final de suas vidas com a convicção do dever cumprido, foram homens que aprenderam os segredos da vitória. E o principal segredo da vitória é andar na presença de Deus todos os dias. “Jesus disse: Sem mim, nada podeis fazer”. João (15:5), muitos de nossos projetos não são bem sucedidos por que Deus não está nele.
Por vivermos em uma sociedade consumista, capitalista e individualista, o homem tem a nítida sensação que tudo pode, que é mais capaz que o outro; que sabe mais; que mais prospera; que é mais esperto, sábio, e mais trabalhador.
Muitos de nós que vivemos no meio desta sociedade perversa, confusa e medíocre, convivemos com uma tremenda ambigüidade: Na oração confessamos ao Senhor a nossa dependência a Ele. Em outra oração dizemos: “Senhor, eu faço, tu me ajudas”“Senhor, este é o meu projeto de vida, abençoa”“Senhor, eu vou a todos os lugares aonde eu quiser, me abençoe”. São orações extremamente equivocadas que expõe nossa falta de fé e individualidade exacerbadas. A ambigüidade consiste em fazer projetos, e pedir de Deus as bênçãos. Se não der certo, culpa-se Deus. Contudo, isso não é correto, e nem todos os homens e mulheres procedem desta forma. Alguns procuram em tudo buscar a direção de Deus, dependendo DEle.
Vamos aprender com Moisés, como um homem de Deus pode prosperar e atingir seus objetivos propostos sem nunca se desviar de Deus e de Sua presença. Moisés é o nosso referencial, em como depender de Deus, o paradigma, o modelo de vitória e de plena dependência de Deus em sua caminhada até atingir a meta e realizar a visão que o Senhor tinha para sua vida. Quanto mais nos aproximamos de Deus, mais escutamos a sua doce voz. Quanto mais nos aproximamos de Deus, vamos conhecendo Sua vontade e o que está no seu coração para nós. “A intimidade do Senhor é para os que o temem…” Salmo (24:14). Muita coisa acontece para nos desviarmos e nos afastarmos do chamado que Deus fez para nós. Satanás, nosso adversário, sabe que nos afastando do propósito de Deus, ele terá conseguido grandes vitórias sobre nossas vidas.
Foi assim com Jesus na tentação. Com Neemias; com Paulo, o missionário e com outros. Você já imaginou se um desses homens desobedecesse? Certamente a obra de Deus perderia grandes conquistas. Foi perseverante e obstinado no chamado de Deus para sua vida. Utilizou bem os instrumentos com os quais Deus lhe capacitou. A nossa vida, só irá prosperar se dependermos de Deus, se o buscarmos, e se usarmos bem das estratégias espirituais.
Não é o método que fará a diferença, mas uma vida consagrada no altar de Deus. Em 2ª Crônicas (32:8), lemos :

“Com ele está o braço de carne, mas conosco, o Senhor, nosso Deus, para nos ajudar e para guerrear nossas guerras. E o povo descansou nas palavras de Ezequias rei de Judá.” (2 Crônicas 32:8)

“Então, lhe disse Moisés: Se a tua presença não vai comigo, não nos faças subir deste lugar.” (Êxodo 33:15)

Fiquem na paz que excede todo entendimento humano, dependendo apenas de Deus.

…:::Ariane Mirabelli:::…

Como posso me tornar um filho de Deus?

Creio que depois de ler o nosso estudo sobre Jesus Cristo a sua maior dúvida deve ser:

Como posso me tornar um filho de Deus? Já que todos que recebem a Cristo em seu coração, se tornam filhos de Deus!

Eu imagino que você também não quer deixar de ter uma vida plena e abençoada com Deus, com Jesus. Existem lutas, como tudo em nossa vida, mas há uma diferença! Quando recebemos a Jesus em nossos corações, a vitória é garantida, sobre essas lutas que surgem no nosso caminhar. O final das nossas dificuldades sempre será de vitória e sucesso! Pois, quando aceitamos ao Senhor Jesus Cristo, Deus ordena aos seus anjos para nos guardar, não ficamos mais à disposição do inimigo, para atingir as nossas vidas. Espiritualmente falando, isso é muito sério, depende da salvação da sua alma também.

Eis a resposta para a pergunta: Como posso me tornar um filho de Deus?

Resposta: “Mas, a todos quantos a [Jesus] receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus” (João 1:12).

“Você precisa nascer de novo”
Quando visitado por um líder religioso chamado Nicodemos, Jesus não imediatamente o assegurou de que ia ao céu. Ao invés, Cristo disse: “Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (João 3:3).

Agora você me pergunta: Como nascer de novo Ariane? Eu te respondo:

A primeira vez que uma pessoa nasce, ela herda a natureza pecaminosa que resulta da desobediência de Adão no Jardim do Éden. Ninguém tem que ensinar uma criança a pecar. Ela já naturalmente segue seus desejos de fazer o errado, os quais a levam a cometer pecados como mentir, roubar e odiar. Ao invés de ser um filho de Deus, a criança é na verdade um filho da desobediência e ira.

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar [Satanás], do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Efésios 2:1-3).

Como filhos da ira, merecemos ser separados de Deus no inferno. Felizmente, a passagem continua: “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, -pela graça sois salvos-” (Efésios 2:4-5).

Receba a Jesus
“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus” (João 1:12).

Esta passagem explica claramente como tornar-se um Filho de Deus. Precisamos receber Jesus através da fé nele. O que precisamos acreditar sobre Jesus?

Primeiro, precisamos reconhecer que Jesus é o eterno Filho de Deus que se tornou homem. Nascido do poder do Espírito Santo, pela virgem Maria, Jesus não herdou a natureza pecaminosa de Adão. Então, Ele é chamado de segundo Adão: “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo…” (1 Coríntios 15:22). Enquanto que a desobediência de Adão trouxe a maldição do pecado ao mundo, a vida perfeita de Cristo pode cobrir as nossas transgressões. Nossa resposta deve ser de nos arrepender (voltar-nos contra o pecado), confiando em Sua vida perfeita para nos purificar.

Segundo, precisamos ter fé em Jesus como Salvador. O plano de Deus foi de sacrificar o Seu Filho perfeito na cruz para pagar pela punição que merecemos pelo nosso pecado: a morte. A morte de Cristo liberta a todo aquele que O recebe da penalidade e do poder do pecado.

Finalmente, precisamos seguir a Jesus como Senhor. Depois de fazer de Cristo o Vitorioso sobre o pecado e a morte, Deus deu a Ele toda autoridade: “Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus. Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro; e sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos…” (Efésios 1:20-23).

Jesus guia todos que O recebem; Ele vai julgar a todos que O rejeitam: “Este nos mandou pregar ao povo, e testificar que ele é o que por Deus foi constituído juiz dos vivos e dos mortos…” (Atos 10:42).

Porque a graça de Deus nos leva ao arrependimento e fé no Salvador e Senhor, somos nascidos de novo para uma nova vida como filhos de Deus. Apenas aqueles que recebem a Jesus – não apenas um conhecimento intelectual sobre Ele, mas realmente dependendo dEle de coração para a salvação, submetendo-se a Ele como Mestre, e amando a Ele como o tesouro supremo – tornam-se filhos de Deus.

Torne-se um filho de Deus
“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (João 1:12-13).

Assim como não tivemos influência alguma sobre o nosso nascimento a este mundo, não podemos fazer nada que causaria o nosso nascimento à família de Deus, nem através de boas obras, nem por invocar uma fé qualquer. Como o verso acima diz: Deus é quem “nos deu o poder” de acordo com a sua vontade graciosa. “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus” (1 João 3:1).Por causa disso, o filho de Deus não tem nada do que se orgulhar, mas se vangloria apenas no Senhor: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie…” (Efésios 2:8-9).

Uma criança cresce e se parece com os seus pais. Igualmente, Deus quer que Seus filhos tornem-se mais e mais como Jesus Cristo. Apesar de que apenas no céu seremos perfeitos, um filho de Deus não vai habitualmente pecar sem se arrepender. “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo. Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão” (1 João 3:7-10).

Não se engane; um filho de Deus não pode ser “renegado” por pecar. Entretanto, alguém que “pratica” o pecado (quero dizer, consistentemente desfruta do pecado sem se preocupar em viver de uma forma que agrade a Deus) revela que nunca nasceu de novo. Jesus falou a tais pessoas: “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhes aos desejos” (João 8:44). Os filhos de Deus, por outro lado, não mais desejam a gratificação do pecado, mas sim conhecer, amar e glorificar ao seu Pai.

A recompensa de ser um filho de Deus é imensurável. Como filhos de Deus, fazemos parte de Sua família (a igreja), temos como promessa um lar no céu e recebemos o direito de nos aproximar de Deus em oração como o nosso Pai: “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus…”(Efésios 2:19)

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,
Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós,
Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo,
Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações,
Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo;
Ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso;
Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas…” (1 Pedro 1:3-9)

 “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai…” (Romanos 8:15).

Responda ao chamado de Deus de se arrepender dos seus pecados e acreditar em Cristo. Torne-se um filho de Deus hoje mesmo! Se você realmente deseja isso, com todo o seu coração, procure um pastor para orar por você ou procure um amigo ou amiga Cristão, converse com ele sobre a sua decisão, ele ou ela vão saber o que fazer; seja bem-vindo à verdadeira família de Deus, saiba que você é chamado e escolhido por Deus para fazer parte do Reino dos céus, Deus tem um caminho lindo preparado pra você, repleto de vitórias! Haverá lutas, mas a vitória é certa em Cristo Jesus! Deus tem pressa em te abençoar, as bençãos estão preparadas para você, mas depende do seu posicionamento, da sua escolha. Escolha Cristo hoje para que você possa receber tudo o que Deus tem preparado para você!

Fique na paz do Senhor, que Deus te abençoe muito!

…:::Ariane Mirabelli:::…

A VOLTA DE JESUS – Parte 5 – Final

Imagem

            No post anterior (A Ressurreição de Jesus) vimos como venceu a morte. Abordamos a promessa de sua segunda vinda.

Neste último post sobre o tema, veremos os sinais de sua breve volta, e como nos preparar para encontrá-Lo quando surgir nas nuvens do céu. Veremos o que a Bíblia tem a nos dizer a esse respeito. Enquanto estava ainda entre nós, Jesus falou várias vezes a respeito de sua volta. Nunca marcou datas, mas deu muitos sinais a respeito de acontecimentos que se dariam um pouco antes de Seu retorno para buscar Seu povo. Um dos textos mais conhecidos está no capítulo 24 do evangelho de  Mateus. Jesus estava no monte das Oliveiras, quando aconteceu essa conversa:

3 E estando ele sentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Declara-nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo. 4 Respondeu-lhes Jesus: Acautelai-vos, que ninguém vos engane. 5 Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; a muitos enganarão.

Se prestarmos atenção aos noticiários de rádio, TV e jornais, facilmente vamos notar que a cada dia surgem mais e mais notícias a respeito de pessoas que se dizem enviados de Cristo; alguns chegam mesmo a intitular-se como sendo o próprio Cristo de volta a Terra (o indiano que se diz a encarnação de Cristo, os seguidores da Ordem do Templo Solar, etc.). Jesus disse que muitos viriam em Seu nome, apresentando uma mensagem parecida com a dEle, mas não igual. Uma mensagem destinada a enganar as pessoas. Você sabe como não ser enganado? Só não é enganado quem conhece a Verdade e permanece nela. Em João 14:6, Jesus disse claramente: “Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim”. Jesus é a Verdade. Você O conhece o suficiente para confiar nEle sem qualquer tipo de medo?

6 E ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; olhai não vos perturbeis; porque forçoso é que assim aconteça; mas ainda não é o fim.

Os noticiários falam diariamente de guerras em muitos lugares do mundo. Há conflitos armados por toda a parte, e ouvir falar deles já quase não chama mais a atenção de ninguém. Oriente Médio, Bósnia, Zaire, Angola, Guerrilha do Peru, Malvinas, Chechênia, Paquistão, grupos separatistas na Índia e nas Ilhas Filipinas, etc. Há inquietação pelo mundo todo, e o modo humano de resolver conflitos tem sido quase sempre pela força do mais forte contra o mais fraco. Jesus disse que isso aconteceria um pouco antes de Sua volta.

7 Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino; e haverá fomes e terremotos em vários lugares. 8 Mas todas essas coisas são o princípio das dores.

Também ouvimos falar com freqüência de fomes. Hoje há fome em quase todo o mundo por causa do desemprego. Há fome por causa das guerras, como ouvimos falar sobre Angola, Sudão, Zaire e muitos outros lugares. Há também fome por causa de tempestades, por causa de secas e de inundações, que arrasam as colheitas. Hoje a fome no mundo atinge mais pessoas do que em qualquer outra época da história humana.

Disse também que haveria terremotos em vários lugares. É certo que há muito tempo acontecem terremotos na Terra, mas nos últimos cem anos eles tem acontecido em intervalos cada vez menores, e cada vez mais violentos. Jesus disse que as fomes e terremotos em vários lugares seriam sinais de Sua volta. Somente nestes últimos anos ocorreram grandes terremotos na América Central, na Índia, Japão e nos EUA.

Jesus continuou em Sua explicação:

11 Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; 12 e, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. 13 Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.

Hoje vivemos a época do egoísmo, do “cada um para si”, as pessoas não se importam com as dificuldades dos outros. Apesar disso, quantas seitas, quantas igrejas existem hoje sobre o mundo, cada qual se dizendo ser a igreja verdadeira de Deus? Em nenhuma época existiram tantas igrejas diferentes. Há igrejas para todos os gostos e para todos os costumes, cada qual fundada por alguém que se diz portador de uma mensagem especial de Deus. Ora, se Deus é Um só, e se Ele é sincero e se fala sempre a Verdade, então como entender o fato de que possa haver tantas igrejas, cada qual com uma mensagem diferente, para levar o conhecimento de Deus ao mundo? Jesus disse que surgiriam muito falsos profetas, com suas falsas mensagens, para enganar a muitos. Falsos profetas não são inspirados por Deus, mas pelo autor da falsidade, pelo inimigo de Deus, nosso inimigo Satanás. Apesar de tantos enganos serem mais um sinal da volta de Cristo, Ele mesmo disse que aqueles que perseverarem até o fim, sem desistir, esses serão salvos.

O último grande sinal da volta de Jesus nos é dado pela pregação do Evangelho:

14 E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.

Jesus disse que o evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim; não disse, como alguns falam, que antes do final haverá a conversão do mundo inteiro. O que Jesus disse é que todos serão avisados e que todos terão sua oportunidade de escolher se querem a vida eterna com Deus ou se querem a morte eterna. Continuando, Ele ainda recomendou que Seus filhos orassem a Deus:

20 Orai para que a vossa fuga não suceda no inverno nem no sábado; 21 porque haverá então uma tribulação tão grande, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem jamais haverá. 22 E se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.

Ele disse que será um tempo com dificuldades como nunca houve, e que a bondade divina encurtaria esses dias, por causa dos escolhidos, ou ninguém se salvaria. Mandou que orássemos para que a fuga dos Seus filhos, perseguidos pelos inimigos de Deus, não acontecesse no inverno, pelas dificuldades por causa do mau tempo, nem no sábado, que deve ser um dia todo dedicado a Deus e a fazer o bem a nosso próximo.

23 Se, pois, alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo aí! não acrediteis; 24 porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. 25 Eis que de antemão vo-lo tenho dito.

A maneira como Jesus repete os avisos contra os falsos cristos, e mesmo contra Satanás, que vai imitar a Sua volta, deve nos deixar bem atentos, pois o perigo de sermos enganados é muito grande. A volta de Jesus será vista em todo o mundo e por todas as pessoas que estiverem vivas, do mesmo modo como um relâmpago que corta os céus à noite é visto até por quem está dentro de uma casa fechada. Prestem atenção:

26 Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto; não saiais; ou: Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis. 27 Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do filho do homem. 28 Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres.

A volta de Cristo não será um espetáculo transmitido ao mundo pela TV, para que possa ser visto de dentro de casa, mas um acontecimento no céu, que será visto por todos quanto estiverem vivos. Jesus continuou descrevendo os sinais que aconteceriam no mundo na época de Sua volta.

29 Logo depois da tribulação daqueles dias, escurecerá o sol, e a lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu e os poderes dos céus serão abalados.

Em 19 de maio de 1789, o sol escureceu de forma inexplicável, e aquele dia está registrado na história do mundo como o Dia Escuro. Foi visto principalmente na região conhecida como Nova Inglaterra, nos Estados Unidos. O dia amanheceu com o sol claro e fulgurante, mas por volta das nove horas começou a escurecer. Às dez já não se podia ler sem uma lanterna. Logo a escuridão ficou completa, e uma situação de pânico dominou a região pelo resto do dia. A noite seguinte foi provavelmente a mais escura desde o começo do mundo. Ficou tão fechada que uma folha de papel branco diante dos olhos era tão invisível como se fosse de veludo negro. Um oficial da Marinha Americana escreveu no Livro de Bordo de seu navio: “Às três horas da manhã, a Lua, que parecia haver estado velada durante várias horas, escondida por alguma nuvem, pareceu repentinamente, mas com a cor de sangue escuro; além disso, estava atravessada por uma cruz negra e assinalada, por ambos os lados, com dois traços paralelos que tinham as cores do arco-íris”.

Outro grande e surpreendente acontecimento ocorreu no dia 13 de novembro de 1833, quando um feérico espetáculo sideral de fogos de artifício foi testemunhado por milhares de pessoas, principalmente na costa leste dos Estados Unidos. Os piedosos estudantes das profecias identificaram na “chuva de estrelas fugazes” as palavras proféticas de Jesus “… e as estrelas cairão do firmamento”. Thomas Miller, cientista inglês, comentou o acontecimento nas seguinte palavras: “A atenção dos astrônomos na Europa e em todo o mundo, foi, como se pode imaginar, fortemente despertada pela notícia desta exibição sideral no Novo Continente, por todos os motivos a mais notável exibição sideral de que há notícia. Durante algumas horas, o firmamento do todo os Estados Unidos esteve em ígnea comoção. Nenhum fenômeno celeste ocorreu jamais neste país, desde o seu início, que tenha sido contemplado com tão intensa admiração por certa classe de pessoas ou com tanto temor e pânico por outras… Durante suas três horas de duração, pensava-se que o dia do juízo estava apenas aguardando o nascer do sol”.

Falta ainda acontecer um sinal na natureza:

30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. 31 E ele enviará os seus anjos com grande clangor de trombeta, os quais lhe ajuntarão os escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus. 32 Aprendei, pois, da figueira a sua parábola: Quando já o seu ramo se torna tenro e brota folhas, sabeis que está próximo o verão.

A comparação com o brotar de uma árvore é clara; quando surge a brotação, o verão está próximo. Da mesma forma, o cumprimento de todos esses sinais deve nos alertar para a proximidade do grande dia.

33 Igualmente, quando virdes todas essas coisas, sabei que ele está próximo, mesmo às portas. 34 Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas se cumpram. 35 Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão.

Jesus afirmou que Suas palavras não passariam jamais, ou seja, com certeza tudo aconteceria tal como Ele falou. E também nos deixou muitas mensagens de esperança. em Lucas 21 vemos:

25 E haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; e sobre a terra haverá angústia das nações em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. 26 os homens desfalecerão de terror, e pela expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto os poderes do céu serão abalados. 27 Então verão vir o Filho do homem em uma nuvem, com poder e grande glória.

Mesmo quando os poderes do céu forem abalados, os filhos de Deus estarão protegidos.

28 Ora, quando essas coisas começarem a acontecer, exultai e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção se aproxima.

Para os filhos de Deus, os sinais da volta de Jesus não serão motivo de medo, mas de alegria pelo encontro com Cristo prestes a acontecer.

29 Propôs-lhes então uma parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores; 30 quando começam a brotar, sabeis por vós mesmos, ao vê-las, que já está próximo o verão. 31 Assim também vós, quando virdes acontecerem estas coisas, sabei que o reino de Deus está próximo. 32 Em verdade vos digo que não passará esta geração até que tudo isso se cumpra. 33 Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão.

   O Reino de Deus está próximo, na verdade, ele está bem próximo, e essas são palavras para avivar a nossa esperança, dando certeza de que a salvação em Cristo é certa, e que não vai demorar.

34 Olhai por vós mesmos; não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e aquele dia vos sobrevenha de improviso como um laço. 35 Porque há de vir sobre todos os que habitam na face da terra.

Virá sobre todos os que habitam sobre a Terra, mas alegre-se, você poderá estar entre os que irão receber Jesus com alegria e contentamento.

36 Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que hão de acontecer, e estar em pé na presença do Filho do homem.

Você pode encontrar Jesus na Sua volta, e ser levado pelos anjos a encontrá-Lo nos ares para ser levado ao Céu, para ser feliz para sempre, para nunca mais ouvir falar de doenças nem de morte, para nunca mais envelhecer nem perder suas pessoas queridas, para nunca mais se preocupar com fome nem com frio ou calor. Lá não haverá mais desconforto nem tristeza. Apocalipse 21 nos pinta um lindo quadro da vida com Deus:

1 E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe.

 Deus fará um novo céu e uma nova terra para Seus filhos.

2 E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo.

 Fará uma cidade especialmente para morar conosco. Uma grande cidade, muito maior que qualquer cidade que tenha existido sobre a Terra, mais bela, organizada e sem qualquer problema para entristecê-la.

3 E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. 4Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.

Deus promete que a nova Terra, restaurada e limpa do pecado e das suas conseqüências, vai ser a própria capital do Universo, pois Ele mesmo, o nosso Deus, vai morar conosco na mesma cidade.

5 E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve; porque estas palavras são fiéis e verdadeiras. 6 Disse-me ainda: está cumprido: Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim. A quem tiver sede, de graça lhe darei a beber da fonte da água da vida. 7 Aquele que vencer herdará estas coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. 8 Mas, quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte.

   Dos sinais que Cristo deu para indicar o tempo de Sua volta, todos já aconteceram; apenas um deles, a pregação do Evangelho em todo o mundo, está atualmente em andamento, faltando apenas o arremate desse trabalho.

            Agora você sabe. Sabe quem é Jesus.

 Sabe porque Ele tinha de vir a este mundo para morrer em nosso lugar.

            Sabe que Ele morreu pelos seus e pelos meus pecados, morreu pelos pecados do mundo inteiro.

            Você sabe que a morte de Jesus foi por amor. Por amor a você e a mim. Por amor aos Seus filhos.

            Sabe que a Sua morte é suficiente para cobrir e apagar todos os seus pecados, desde que você O aceite como Seu Salvador.

Você sabe também que Cristo está convidando para que todos O aceitem como seu Salvador.

            Sabe que Ele prometeu voltar para buscar os Seus, e sabe que o tempo da Sua volta é esse em que vivemos.

            Quanto tempo ainda falta você não sabe, nem eu, e ninguém a não ser o próprio Deus sabe quando Jesus voltará. Mas você sabe que, com certeza, Ele vira segunda vez, tal como prometeu. Qualquer um pode ver que em nenhuma época da história humana os sinais da volta de Jesus tem sido tão freqüentes, tão numerosos e tão intensos.

 

            Agora que você sabe tudo quanto Deus tem feito por você, por sua família, por mim e por todos nós,

            agora que você tem um conhecimento melhor do amor e da bondade de Deus,

            agora que você sabe quanto Ele sofreu para que possamos ter a vida eterna, que nos tinha sido tirada pelo pecado,

            Agora que você sabe…

            Que resposta você tem para Ele, para Jesus que morreu por você?

            Que resposta você tem para Deus?

Fiquem na paz do Senhor…

…:::Ariane Mirabelli:::…

A RESSURREIÇÃO DE JESUS – Parte 4

 Imagem

      No post anterior (A agonia e a morte de Jesus), estudamos como Jesus sofreu e foi morto em nosso lugar, como assumiu a culpa por nossos pecados.

Neste post, veremos onde estava Ele enquanto esteve no túmulo. Também falaremos sobre o modo como Ele venceu a morte, como ressurgiu dentre os mortos, o que fez em seguida e para onde foi quando subiu aos céus. Também veremos a promessa de sua segunda vinda e os sinais que a antecedem.

No post anterior, paramos no ponto em que Jesus estava morto sobre a cruz. Os judeus contavam os dias de modo diferente do atual. Seu dia iniciava num pôr-do-sol e terminava no pôr-do-sol seguinte. Aquela sexta-feira em que Jesus foi morto, véspera de sábado, era um dia muito especial. Naquele ano, a comemoração da festa da páscoa coincidia com o sábado semanal, o sétimo dia da semana, que havia sido santificado e abençoado por Deus na semana da criação do mundo; por esse motivo a Palavra de Deus diz que “era grande aquele dia de sábado”. Os judeus consideravam uma profanação do sábado deixar que criminosos ficassem expostos sobre a cruz nas horas do dia sagrado. Em João 19 lemos:

31 Ora, os judeus, como era a preparação, e para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, pois era grande aquele dia de sábado, rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados dali.

 Por vezes acontecia que condenados com físico mais resistente ficassem por vários dias pendurados à cruz, antes de morrer. Para que isso não acontecesse, pediram a Pilatos que mandasse quebrar suas pernas para apressar a morte. (Explicar como acontecia a morte na cruz, por asfixia respiratória).

32 Foram então os soldados e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro e ao outro que com ele fora crucificado;

33 mas vindo a Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas;

 Jesus, de fato, já estava morto desde as 3 horas da tarde; não havia resistido a todos os sofrimentos recebidos desde o momento em que fora preso.

34 contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.

A lança do soldado perfurou a parte mais baixa de Seu coração, por isso saiu primeiro sangue, e depois água. Só de um cadáver poder verter sangue e água; se Jesus não estivesse realmente morto, teria jorrado sangue vivo de Seu coração. Ele não morreu a morte normal de um condenado à cruz, não morreu por asfixia, mas sim por ruptura de Seu músculo cardíaco. Seu coração não suportou mais o peso dos pecados do mundo inteiro, nem a separação do Pai que tais pecados provocaram, e morreu por nós. Morreu esmagado pelo peso dos nossos pecados.

35 E é quem viu isso que dá testemunho, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que diz a verdade, para que também vós creiais. 36 Porque isto aconteceu para que se cumprisse a escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado.

Séculos antes o profeta Isaías já havia dito, inspirado por Deus, que nenhum dos ossos de Cristo haveria de ser quebrado, apesar de todas as torturas que deveria sofrer por nós. Então, um homem rico foi a Pilatos e pediu licença para sepultar Jesus.

38 Depois disto, José de Arimatéia  que era discípulo de Jesus, embora oculto por medo dos judeus, rogou a Pilatos que lhe permitisse tirar o corpo de Jesus; e Pilatos lho permitiu. Então foi e o tirou. 39 E Nicodemos, aquele que anteriormente viera ter com Jesus de noite, foi também, levando cerca de cem libras duma mistura de mirra e aloés.

Nicodemos, outro judeu rico e influente, foi com José de Arimatéia ajudar a sepultar a Jesus. Quantas pessoas influentes ainda existirão hoje, que na ocasião oportuna darão seu testemunho em favor de Jesus, enfrentando oposição e discriminação?

40 Tomaram, pois, o corpo de Jesus, e o envolveram em panos de linho com as especiarias, como os judeus costumavam fazer na preparação para a sepultura. 41 No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim, e nesse jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda havia sido posto. 42 Ali, pois, por ser a véspera do sábado dos judeus, e por estar perto aquele sepulcro, puseram a Jesus.

Em Lucas 23 encontramos outro relato da mesma cena:

50 Então um homem chamado José, natural de Arimatéia, cidade dos judeus, membro do Sinédrio, homem bom e justo, 51 o qual não tinha consentido no conselho e nos atos dos outros, e que esperava o reino de Deus, 52 chegando a Pilatos, pediu-lhe o corpo de Jesus; 53 e tirando-o da cruz, envolveu-o num pano de linho, e pô-lo num sepulcro escavado em rocha, onde ninguém ainda havia sido posto. 54 Era o dia da preparação, e ia começar o sábado. 55 E as mulheres que tinham vindo com ele da Galiléia, seguindo a José, viram o sepulcro, e como o corpo foi ali depositado. 56 Então voltaram e prepararam especiarias e ungüentos. E no sábado repousaram, conforme o mandamento.

 Ao aproximar-se o início do sábado, “repousaram conforme o mandamento”. Não chegaram nem a lavar o corpo sujo de sangue e ferido de Jesus, nem mesmo procurar um outro sepulcro para Ele, mas sepultaram-No apressadamente, para não violar o repouso do sábado, e foram-se para suas casas.

    José, Nicodemos e os demais discípulos, inclusive as mulheres, eram conhecedores da doutrina de Jesus, e sabiam da importância de se guardar os mandamentos de Deus. Sabiam das recomendações de Jesus (João 14):

15 Se me amardes, guardareis os meus mandamentos. 21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. 23 Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada. 24 Quem não me ama, não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai que me enviou.

 As palavras de Jesus incluem a recomendação de se guardar os mandamentos, como se vê em Mateus 5:

17 Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. 18 Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido.

 Embora não cressem na ressurreição de Jesus, os chefes judeus temiam que o corpo de Jesus fosse roubado da sepultura por seus discípulos. Em Mateus 27 lemos:

62 No dia seguinte, isto é, o dia depois da preparação, reuniram-se os principais sacerdotes e os fariseus perante Pilatos, 63 e disseram: Senhor, lembramo-nos de que aquele embusteiro, quando ainda vivo, afirmou: Depois de três dias ressurgirei. 64 Manda, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até o terceiro dia; para não suceder que, vindo os discípulos, o furtem e digam ao povo: Ressurgiu dos mortos; e assim o último embuste será pior do que o primeiro. 65 Disse-lhes Pilatos: Tendes uma guarda; ide, tornai-o seguro, como entendeis. 66 Foram, pois, e tornaram seguro o sepulcro, selando a pedra, e deixando ali a guarda.

  Assim, o corpo de Jesus foi deixado a repousar na sepultura durante as horas do sábado. Dispostas a dar um sepultamento digno a seu Mestre, as mulheres voltaram ao sepulcro depois do sábado (ver Lucas 24):

1 Mas já no primeiro dia da semana, bem de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado. 2 E acharam a pedra revolvida do sepulcro. 3 Entrando, porém, não acharam o corpo do Senhor Jesus. 4 E, estando elas perplexas a esse respeito, eis que lhes apareceram dois varões em vestes resplandecentes; 5 e ficando elas atemorizadas e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Por que buscais entre os mortos aquele que vive? 6 Ele não está aqui, mas ressurgiu. Lembrai-vos de como vos falou, estando ainda na Galiléia. 7 dizendo: Importa que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressurja. 8 Lembraram-se, então, das suas palavras; 9 e, voltando do sepulcro, anunciaram todas estas coisas aos onze e a todos os demais. 10 E eram Maria Madalena, e Joana, e Maria, mãe de Tiago; também as outras que estavam com elas relataram estas coisas aos apóstolos. 11 E pareceram-lhes como um delírio as palavras das mulheres e não lhes deram crédito.

 Apesar de tantas vezes Jesus haver dito que seria morto para ressuscitar, Seus discípulos ainda não haviam entendido essa verdade. Não tinham alcançado as palavras do Mestre. Em João 20 lemos:

1 No primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro. 2 Correu, pois, e foi ter com Simão Pedro, e o outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: Tiraram do sepulcro o Senhor, e não sabemos onde o puseram. 3 Saíram então Pedro e o outro discípulo e foram ao sepulcro. Corriam os dois juntos, mas o outro discípulo correu mais ligeiro do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro; 5 e, abaixando-se viu os panos de linho ali deixados, todavia não entrou. Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro e viu os panos de linho ali deixados, 7 e que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte. 8 Então entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu e creu. 9 Porque ainda não entendiam a escritura, que era necessário que ele ressurgisse dentre os mortos. 10 Tornaram, pois, os discípulos para casa.

A pedra havia sido removida por um anjo do Céu, mandado por Deus Pai para acordar Jesus do sono da morte. Vejamos Mateus 28:

1 No fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. 2 E eis que houvera um grande terremoto; pois um anjo do Senhor descera do céu e, chegando-se, removera a pedra e estava sentado sobre ela. 3 o seu aspecto era como um relâmpago, e as suas vestes brancas como a neve. 4 E de medo dele tremeram os guardas, e ficaram como mortos. 5 Mas o anjo disse às mulheres: Não temais vós; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. 6 Não está aqui, porque ressurgiu, como ele disse. Vinde, vede o lugar onde jazia; 7 e ide depressa, e dizei aos seus discípulos que ressurgiu dos mortos; e eis que vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que vo-lo tenho dito.

 Jesus foi ressuscitado pelo poder de Deus Pai, que mandou um poderoso anjo para reviver Seu Filho, o nosso Salvador.

  Onde estava Jesus enquanto esteve morto? Vejamos João 20:

11 Maria, porém, estava em pé, diante do sepulcro, a chorar. Enquanto chorava, abaixou-se a olhar para dentro do sepulcro, 12 e viu dois anjos vestidos de branco sentados onde jazera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. 13 E perguntaram-lhe eles: Mulher, por que choras? Respondeu-lhes: Porque tiraram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. 14 Ao dizer isso, voltou-se para trás, e viu a Jesus ali em pé, mas não sabia que era Jesus.

 Maria Madalena não pode reconhecer Jesus, a quem havia visto pela última vez sujo de sangue, ferido e sofredor, pendurado numa cruz.

15 Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, julgando que fosse o jardineiro, respondeu-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei. 16 Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, virando-se, disse-lhe em hebraico: Raboni! – que quer dizer, Mestre. 17 Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.

Jesus disse claramente que ainda não havia subido ao Pai enquanto esteve no sono da morte. Essa declaração do Mestre confirma o ensinamento bíblico a respeito do estado dos mortos, que é de inconsciência na sepultura enquanto aguardam a ressurreição para a vida eterna ou para o juízo e condenação à morte eterna. Maria Madalena creu e saiu feliz. Jesus somente subiu ao Pai, no Céu, depois do encontro com Maria Madalena.

18 E foi Maria Madalena anunciar aos discípulos: Vi o Senhor! -e que ele lhe dissera estas coisas.

Depois disso, Jesus encontrou-Se ainda diversas vezes com Seus discípulos, e durante 40 dias permaneceu com eles, ensinando-os a respeito do plano de salvação da humanidade, e explicando passagens da Bíblia que não haviam compreendido antes. Disse que iria ao Céu, mas que o Espírito Santo desceria sobre eles, para dar-lhe poder para levar o Evangelho a todo o mundo. Atos 1:

8 Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra. 9 Tendo ele dito estas coisas, foi levado para cima, enquanto eles olhavam, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. 10 Estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles apareceram dois varões vestidos de branco, 11 os quais lhes disseram: Varões galileus, por que ficais aí olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi elevado para o céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.

Os anjos disseram aos discípulos que Jesus voltaria do mesmo modo que O viram subir, isto é, nas nuvens do céu, à vista de todos. Em muitas ocasiões Cristo prometeu voltar para buscar Seu povo, depois que subisse aos Céus: Em João 14 lemos uma dessas promessas:

1 Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. 2 Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar. 3 E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.

Em Atos 1:8-11 temos a promessa de dois anjos, logo após Jesus desaparecer por entre as nuvens.

Os apóstolos acreditavam na volta de Jesus, nas nuvens do céu, como os anjos prometeram. Em 1a Tessalonicenses 4, o apóstolo são Paulo declara:

13 Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança. 14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, assim também aos que dormem, Deus, mediante Jesus, os tornará a trazer juntamente com ele. 15 Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que já dormem. 16 Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor. 18 Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

 Cristo prometeu que virá buscar o Seu povo. Vai ressuscitar os que morreram esperando pela Sua volta e em seguida transformará os corpos dos fiéis que estiverem vivos, para levar todos para passar a eternidade com Ele.

      Jesus voltará para buscar os Seus.

      Você deseja estar nesse grupo que vai para os Céus com Jesus?

      Você deseja participar do arremate da obra de salvação que Jesus tem realizado por Seus filhos?

No próximo post, vou encerrar falando dos sinais que Jesus deu para conhecermos o tempo de Sua volta. Veremos o que a Bíblia tem a nos dizer a esse respeito.

Fiquem na paz do Senhor e até o próximo e último post, deste estudo Sobre Jesus Cristo!

…:::Ariane Mirabelli:::…

A AGONIA E MORTE DE JESUS – Parte 3

Imagem

            No post anterior, (A vida de Jesus), estudamos o modo como Jesus obteve poder para realizar milagres, para curar tantas pessoas, e pela Bíblia tivemos a certeza de que Ele, apesar de ser o Filho de Deus, nunca usou pessoalmente Seu poder, mas sempre buscou força no poder do Pai, da mesma forma que mandou que nós façamos.

            Neste post, veremos como Ele Se entregou por nós. Veremos como foi tratado por pessoas a quem estava tentando salvar, o modo como perdoou aqueles que o feriam.

            Desde o começo Jesus sabia muito bem o que Lhe estava reservado no cumprimento de sua missão de amor em nosso favor. Sabia perfeitamente que o preço de nossa salvação seria a Sua vida.

O livro do Apóstolo MATEUS, no capítulo 26 diz:

2 Sabeis que daqui a dois dias é a páscoa; e o Filho do homem será entregue para ser crucificado.

            Sabia também que o método usado para prendê-Lo seria a traição e a mentira, buscando um modo de não causar tumulto entre o povo.

3 Então os principais sacerdotes e os anciãos do povo se reuniram no pátio da casa do sumo sacerdote, o qual se chamava Caifás; 4 e deliberaram como prender Jesus a traição, e o matar. 5 Mas diziam: Não durante a festa, para que não haja tumulto entre o povo.

            Sabia que seria um de Seus amigos mais chegados o que iria entregá-Lo, que iria vendê-Lo a Seus inimigos.

14 Então um dos doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os principais sacerdotes, 15 e disse: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E eles lhe pesaram trinta moedas de prata.16 E desde então buscava ele oportunidade para o entregar.

            Depois de comer a ceia de páscoa com os apóstolos, saiu com eles para o Monte das Oliveiras, para orar. Ali sentiu o peso dos pecados de todo o mundo sobre Seus ombros. Sentiu a dor da separação que o pecado causa entre os homens e Deus, pois ao tomar sobre Si os pecados do mundo, por eles foi separado de Deus Pai. Essa separação causava-Lhe uma dor de alma terrível. Enquanto orava, chegou a pedir ao Pai que, se possível, afastasse dEle o cálice de sofrimentos e humilhações que deveria beber. Pediu ao Pai que, se possível, afastasse aquele cálice, mas que se fizesse sempre a vontade de Deus.

            Sofrendo ao ver Seu Filho sofrer, Deus Pai não consentiu em aliviar o sofrimento de Seu Filho por amor a nós, e permitiu que fosse até o final em Seu sacrifício. Tudo quanto Cristo sofreu sobre a Terra, também sofreu Deus Pai e Deus Espírito Santo, e tudo foi por sua causa e por minha causa.

            Então Cristo avisou Seus discípulos de que havia chegado a hora, que o traidor se aproximava.

46 Levantai-vos, vamo-nos; eis que é chegado aquele que me trai. 47 E estando ele ainda a falar, eis que veio Judas, um dos doze, e com ele grande multidão com espadas e paus, vinda da parte dos principais sacerdotes e dos anciãos do povo. 48 Ora, o que o traía lhes havia dado um sinal, dizendo: Aquele que eu beijar, esse é: prendei-O. 49 E logo, aproximando-se de Jesus disse: Salve, Rabi. E o beijou. 50 Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Nisto, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e O prenderam.

            Depois de passar mais de três anos convivendo com Jesus, Judas teve coragem de vender Seu Amigo e de entregá-Lo com um beijo. Mesmo nessa hora Jesus ainda lhe deu oportunidade de arrepender-se. Chamou-o mais uma vez de “amigo”.

51 E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha.

            Pedro, impulsivo, tentou defender Jesus ao seu modo, mas sua atitude não foi aprovada. Jesus não precisava de proteção humana, pois estava a entregar-Se de livre vontade.

52 Então Jesus lhe disse: Mete a tua espada no seu lugar; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. 53 Ou pensas tu que eu não poderia rogar a meu Pai, e que ele não me mandaria agora mesmo mais de doze legiões de anjos?

            Jesus sabia que as Escrituras já haviam predito as condições de sua prisão e morte, e sabia como tudo iria acontecer. Então disse a Pedro e aos demais:

54 Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça? 55 Disse Jesus à multidão naquela hora: Saístes com espadas e paus para me prender, como a um salteador? Todos os dias estava eu sentado no templo ensinando, e não me prendestes. 56 Mas tudo isso aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas. Então todos os discípulos, deixando-O fugiram.

            Então, ficando Jesus com os que o haviam prendido, foi levado para julgamento.

57 Aqueles que prenderam a Jesus levaram-no à presença do sumo sacerdote Caifás, onde os escribas e os anciãos estavam reunidos.

            As leis judaicas proibiam que qualquer pessoa fosse presa à noite, mas a Jesus prenderam durante a noite.

            O julgamento de Jesus teve início em seguida, na casa do sumo-sacerdote Caifás. Justamente na casa daquele que, como chefe da igreja judaica, deveria ter sido o primeiro a reconhecer Jesus como o Enviado de Deus, como o Salvador prometido. Apesar de todos os milagres que havia feito em mais de três anos, provando que o poder e a autoridade dos Céus estavam sobre Ele, Caifás fechou os olhos à verdade e presidiu o julgamento de Jesus. Cristo foi esbofeteado, surrado, coroado com um capacete de espinhos, ofendido e humilhado durante o resto da noite.

            As leis judaicas proibiam que alguém fosse julgado à noite, mas a Jesus julgaram durante a noite.

            Os judeus estavam sob domínio dos romanos, e por isso não tinham poder para condenar ninguém à morte. Então Caifás mandou Jesus para Pilatos, governador romano, para que fosse julgado por ele e morto. Pilatos não achou qualquer culpa em Jesus e decidiu soltá-Lo. Como era costume, durante as festas da Páscoa os romanos soltavam um criminoso condenado à morte. Para não contrariar a multidão que acompanhava o interrogatório de Jesus, Pilatos perguntou ao povo se desejavam que soltasse a Jesus ou a Barrabás, um famoso bandido que estava preso aguardando a morte.

MATEUS capítulo 27, diz:

21 O governador, pois, perguntou-lhes: Qual dos dois quereis que eu vos solte? E disseram: Barrabás. 22 Tornou-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, que se chama Cristo? Disseram todos: Seja crucificado. 23 Pilatos, porém, disse: Pois que mal fez ele? Mas eles clamavam ainda mais: Seja crucificado. 24 Ao ver Pilatos que nada conseguia, mas pelo contrário que o tumulto aumentava, mandando trazer água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Sou inocente do sangue deste homem; seja isso lá convosco.

            Ao ver a fúria do povo, Pilatos não teve coragem de mandar soltar a Jesus, como sabia que deveria ser feito; lavou suas mãos, simbolizando assim que não tinha nada a ver com a morte de Jesus.

25 E todo o povo respondeu: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos. 26 Então lhes soltou Barrabás; mas a Jesus mandou açoitar, e o entregou para ser crucificado.

            Apesar de saber que Jesus era inocente, ainda assim mandou açoitá-Lo antes de O entregar para ser morto na cruz.

            Novamente Jesus foi humilhado, açoitado e forçado a levar uma pesada cruz nos Seus enfraquecidos e feridos ombros até o monte Calvário. Foi forçado a levar uma cruz que não havia sido feita para Ele, que não tinha pecado. Talvez aquela fosse a cruz destinada a Barrabás, mas também poderia teria sido feita para mim, ou para qualquer um de nós, mas com certeza não poderia ter sido feita para Jesus, o Inocente.

            Todo o processo de Jesus foi ilegal, mesmo se comparado com a própria lei civil judaica, e baseado em testemunhas mentirosas. Ainda assim, Ele foi condenado e morreu em nosso lugar. Sem fraude, não teria sido possível condenar O Inocente.

            Ferido, exausto pelos sofrimentos e maus tratos recebidos durante toda uma noite, Jesus não agüentou o peso da cruz e desmaiou duas vezes sob seu peso, ferindo Seus joelhos sobre as pedras do caminho. Seu estado físico era tão lastimável que os próprios carrascos temeram que morresse antes de chegar ao local da execução.

32 Ao saírem, encontraram um homem cireneu, chamado Simão, a quem obrigaram a levar a cruz de Jesus.

            Nenhuma palavra de desgosto ou de reclamação saiu dos lábios de Jesus. Enquanto estava sobre a cruz, Jesus ainda encontrou força para pedir perdão para Seus algozes:

Lucas 23:34 Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem.

            Pelo meio dia pregaram-No na cruz, e então desceu uma pesada escuridão sobre a terra, como se o próprio sol se recusasse a testemunhar.

35 Então, depois de o crucificarem, repartiram as vestes dele, lançando sortes, [para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta: Repartiram entre si as minhas vestes, e sobre a minha túnica deitaram sortes.]

            As humilhações e zombarias continuaram até que, por volta de 3 horas da tarde, Jesus expirou.

45 E, desde a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra, até a hora nona. 46 Cerca da hora nona, bradou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactani; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? 47 Alguns dos que ali estavam, ouvindo isso, diziam: Ele chama por Elias. 48 E logo correu um deles, tomou uma esponja, ensopou-a em vinagre e, pondo-a numa cana, dava-lhe de beber. 49 Os outros, porém, disseram: Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo. 50 De novo bradou Jesus com grande voz, e entregou o espírito. 51 E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam,

            No momento em que Jesus morreu, a cortina do Santuário, no Templo de Jerusalém, que separava o lugar Santo (dos sacrifícios diários) do lugar Santíssimo (onde apenas o sumo-sacerdote entrava uma vez por ano), rasgou-se de alto abaixo – de alto a baixo pela mão de Deus. Essa cortina, que separava o lugar dos sacrifícios diários daquele onde apenas o sumo sacerdote entrava uma vez por ano, como representante do povo perante Deus, agora estava rasgada, como um sinal que, a partir da morte de Jesus, nenhum dos filhos de Deus necessita de representante humano para levar seus pedidos e preocupações ao Rei do Universo. Não precisamos mais de representantes humanos, pois agora Jesus é o nosso representante e mediador junto de Deus Pai. Paulo, na sua 1a Carta a Timóteo, capítulo 2, fala assim:

5 Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, 6 o qual se deu a si mesmo em resgate por todos, para servir de testemunho a seu tempo;

            Também o apóstolo Pedro, no livro de Atos, capítulo 4, afirma sobre Jesus:

11 Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta como pedra angular. 12 E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos.

            Em Hebreus 9,  Paulo nos diz:

27 E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo, 28 assim também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.

            Com a mesma certeza que afirma que Jesus voltará segunda vez para os que O aguardam, a Palavra de Deus também afirma que “aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo”. Note aí duas verdades que abalam os fundamentos do espiritismo:

1.      Haverá um juízo, diante do qual todos deveremos comparecer, e

2.      Se aos homens está ordenado morrerem uma só vez, segue-se que ninguém se reencarna.

            Cristo tomou sobre Si os nossos pecados e os lavou com Seu precioso Sangue. É o nosso representante no Céu, nosso procurador diante de Deus, o nosso Advogado de defesa. Ele nos convida a deixar sobre Ele os nossos pecados e aceitar o perdão que nos oferece, de graça, sem preço. E mais: promete aparecer outra vez, sem pecado, aos que O esperam para salvação.

            Você agora sabe um pouco mais do que Jesus passou por minha causa e por sua causa.

            Está disposto a entregar sua vida a Ele, que entregou a vida dEle por você?

            No próximo post, veremos onde estava enquanto esteve no túmulo. Também falaremos sobre o modo como Ele venceu a morte, como ressurgiu dentre os mortos, o que fez em seguida e para onde foi quando subiu aos céus.

Vejo você no próximo post, Fique na paz do Senhor!

…:::Ariane Mirabelli:::…

A VIDA DE JESUS – Parte 2

Imagem

            No post anterior (Quem é Jesus?), estudamos a vida de Jesus, e pela Bíblia tivemos a certeza de que Ele é o Filho de Deus, que existe como Deus desde a eternidade, que foi por Ele que o mundo foi criado e que tudo quanto existe se fez. Aprendemos também que Jesus veio a este mundo para morrer por nossos pecados, para oferecer a Sua vida em lugar da nossa, para que possamos novamente ter paz com Deus e assim ter outra vez acesso à vida eterna.

Neste post, estudaremos a Sua vida. Para poder ser nosso substituto legal, deveria viver com os mesmos recursos que temos à nossa disposição. Usar poderes divinos, que não temos, seria trapaça. Sendo Deus, e tendo vindo à Terra para morrer em nosso lugar, será que Jesus usou Seus poderes divinos para derrotar o diabo e poder assim viver sem pecado? Será que Ele tinha algum recurso que nós hoje não temos?

Vendo Seu nascimento e Sua infância, percebemos que até aí era exatamente igual a todos os bebês que nascem até hoje. Frágil e dependente da proteção de Seus pais terrenos, pois estava sujeito a perigoso ataques do inimigo Satanás.

Logo que nasceu, o rei Herodes tentou matá-Lo. Como não sabia como encontrá-Lo, mandou que seus soldados matassem todos os meninos nascidos na cidade de Belém, da idade de 2 anos para baixo. Jesus só não foi morto porque Deus Pai mandou um anjo avisar em sonhos a José, o esposo de Maria, para fugir para o Egito antes que os soldados de Herodes chegassem.

Aos 8 dias de idade foi apresentado ao Deus no Templo, e cresceu como uma criança normal, trabalhando com Maria e José, obediente e humilde. Acostumou-Se a estudar as Escrituras com Sua mãe e a orar com freqüência para buscar forças em Deus Pai. Trabalhou para sustentar-Se, e era carpinteiro com José, até a idade de uns 30 anos, quando foi procurar Seu primo João Batista, para ser batizado no rio Jordão. A partir desta época, começou a reunir Seus primeiros discípulos e a ensiná-los sobre o Reino dos Céus, freqüentando a sinagoga aos sábados e aproveitando as reuniões para ensinar o povo, curar os enfermos e fazer muitos milagres pelo poder de Deus Pai.

Como se diz que Jesus viveu como qualquer um de nós, se Ele fazia milagres, e nós não fazemos? Se conferirmos com atenção a nossa Bíblia, em todas as ocasiões em que fez milagres, Jesus nunca usou Seu poder pessoal, mas sempre pediu ao Pai que fizesse o milagre, e o Pai sempre o atendeu, pois Sua vida era pura e santa, de obediência completa. Vamos ver alguns exemplos:

– Jesus havia sido mandado chamar para ver Seu amigo Lázaro, que estava muito doente. Demorou-Se e quando chegou, Lázaro havia morrido e estava sepultado. O Evangelho de João cap. 11 conta como foi.

38 Jesus, pois, comovendo-se outra vez, profundamente, foi ao sepulcro; era uma gruta, e tinha uma pedra posta sobre ela. 39 Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal, porque está morto há quase quatro dias. 40 Respondeu-lhe Jesus: Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus? 41 Tiraram então a pedra. E Jesus, levantando os olhos ao céu, disse: Pai, graças te dou, porque me ouviste. 42 Eu sabia que sempre me ouves; mas por causa da multidão que está em redor é que assim falei, para que eles creiam que tu me enviaste. 43 E, tendo dito isso, clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! 44 Saiu o que estivera morto, ligados os pés e as mãos com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o e deixai-o ir. 45 Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo visitar Maria, e que tinham visto o que Jesus fizera, creram nele.

– Jesus estivera pregando para uma grande multidão sobre um monte, e não havia como alimentar tantas pessoas, e não havia cidade perto para comprar comida. Mateus 14 conta-nos como foi.

15 Chegada a tarde, aproximaram-se dele os discípulos, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já passada; despede as multidões, para que vão às aldeias, e comprem o que comer. 16Jesus, porém, lhes disse: Não precisam ir embora; dai-lhes vós de comer. 17 Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes. 18 E ele disse: trazei-mos aqui. 19Tendo mandado às multidões que se reclinassem sobre a relva, tomou os cinco pães e os dois peixes e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou; e partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos às multidões. 20 Todos comeram e se fartaram; e dos pedaços que sobejaram levantaram doze cestos cheios. 21 Ora, os que comeram foram cerca de cinco mil homens, além de mulheres e crianças.

Erguendo os olhos ao céu, Jesus estava buscando o poder do Pai. Em todas as vezes que realizou algum milagre, foi assim que procedeu. Ele mesmo nos dá o segredo. João 14 nos conta.

12 Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai; 13 e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. 14 Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei. 15 Se me amardes, guardareis os meus mandamentos.

Em Mateus 7, encontramos a seguinte promessa:

7 Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. 8 Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á. 9 Ou qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? 10 Ou, se lhe pedir peixe, lhe dará uma serpente? 11 Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhas pedirem?

Como é que Jesus conseguia pedir e ser atendido? Qual era o Seu segredo?

12 Naqueles dias retirou-se para o monte a fim de orar; e passou a noite toda em oração a Deus. 13 Depois do amanhecer, chamou seus discípulos, e escolheu doze dentre eles, aos quais deu também o nome de apóstolos.

Esse era o segredo de Jesus; orava muito e com freqüência. Por vezes passava a noite inteira orando, em comunhão com o Pai. Esse era o meio pelo qual conseguia forças para vencer as tentações e fé para ser atendido em Seus pedidos, até mesmo para fazer milagres. Foi orando que Ele Se preparou para assumir os pecados de todo o mundo, para ser preso, para ser torturado, para ser julgado injustamente, com testemunhas mentirosas, para sofrer e para morrer por nós.

Há quanto tempo você não ora a Deus para pedir Sua ajuda, para pedir saúde, para pedir que mude seu coração e sua vida? Jesus mostrou que isso é possível. Você acredita nisso? Você crê em Jesus? Você o ama? Veja João 14:

15 Se me amardes, guardareis os meus mandamentos.

21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.

23 Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada. 24 Quem não me ama, não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai que me enviou.

Em João 15, temos ainda:

7 Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito. 8 Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. 9 Como o Pai me amou, assim também eu vos amei; permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.

Jesus disse que guardar Seus mandamentos é uma prova de amor. Você concorda com Ele?

13 Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.

Você resiste a uma prova de amor e amizade assim?

14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.

Você é amigo de Jesus?

15 Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas chamei-vos amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos dei a conhecer.

Vimos nesse post, como Jesus viveu e preparou-Se para assumir os nossos pecados.

            Você deseja preparar-se para viver com Jesus?

            Sabe como se preparar?

            Já está preparado?

No próximo post, vamos estudar a forma como foi preso, julgado e morto em nosso lugar.

Fiquem na paz do Senhor e até o próximo post, a continuação do estudo!

…:::Ariane Mirabelli:::…

QUEM É JESUS? Parte 1

Imagem

Na bíblia, no livro do Apóstolo João, capítulo 1, diz:

1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

      Ele estava com Deus desde o princípio; Ele era o Verbo, a Palavra de Deus, como se diz hoje, o Porta-Voz de Deus, aquele que fala em nome de Deus-Pai.

2 Ele estava no princípio com Deus.

      Desde o início, Cristo é Deus na plenitude.

3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem Ele nada do que foi feito se fez.

      Deus, o Pai, é o Autor do projeto de nosso mundo, mas Deus o Filho foi quem o construiu; “sem Ele nada do que foi feito se fez”.

4 NEle estava a vida, e a vida era a luz dos homens;

      A vida estava nEle, e a vida era a luz dos homens. Quem pode viver sem luz?

5 a luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela.

      Onde há luz a escuridão e as trevas desaparecem.

6 Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.

      Deus enviou João Batista um pouco antes de Jesus.

7 Este veio como testemunha, a fim de dar testemunho da luz, para que todos cressem por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. 9 Pois a verdadeira luz, que alumia a todo homem, estava chegando ao mundo.

      Sua missão era de anunciar a chegada de Jesus ao mundo, contar para todos a vinda do Salvador, daquele que estava prometido para derrotar o pecado e a morte.

10 Estava Ele no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, e o mundo não o conheceu.

      Os judeus haviam sido ensinados em todos os detalhes a respeito do tempo e das condições do nascimento do Messias, mas mesmo assim ficaram cegos por seu egoísmo e ambição. Não quiseram ver o Rei da Glória.

11 Veio para o que era Seu, e os seus não o receberam.

      Quanto egoísmo.

12 Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus;

      Os que recebem a Jesus como Salvador pessoal, os que crêem no Seu Nome, são feitos filhos de Deus. Nem todos são filhos de Deus, mas só os que recebem a Jesus em seu coração.

13 os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus. 14 E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.

      O apóstolo João se apresenta como testemunha que viu a glória de Jesus, a glória do Unigênito do Pai.

      Jesus é o Deus Filho, e existe desde a eternidade; é Deus como o Pai e como o Espírito Santo, e as provas disso estão espalhadas por toda a Bíblia. O próprio Jesus afirmou várias vezes ser o Filho de Deus.

 

POR QUE JESUS VEIO?

Essa é uma história muito antiga, tão antiga como a presença do homem sobre a Terra. O mundo é uma obra de Deus, e foi criado perfeito e sem pecado. Em Gênesis podemos ver isso. Depois de haver criado a luz, o firmamento, o sol, a lua , as estrelas, ás águas, a terra firma, as plantas, no sexto dia Deus criou os seres vivos.

No primeiro livro da Bíblia em GÊNESIS, capítulo 1, diz:

24 E disse Deus: Produza a terra seres viventes segundo as suas espécies: animais domésticos, répteis, e animais selvagens segundo as suas espécies. E assim foi. 25 Deus, pois, fez os animais selvagens segundo as suas espécies, e os animais domésticos segundo as suas espécies, e todos os répteis da terra segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom. 26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra. 27 Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. 28 Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra. 29 Disse-lhes mais: Eis que vos tenho dado todas as ervas que produzem semente, as quais se acham sobre a face de toda a terra, bem como todas as árvores em que há fruto que dê semente; ser-vos-ão para mantimento. 30 E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu e a todo ser vivente que se arrasta sobre a terra, tenho dado todas as ervas verdes como mantimento. E assim foi. 31 E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. E foi a tarde e a manhã, o dia sexto.

 GÊNESIS capítulo 2:

1 Assim foram acabados os céus e a terra, com todo o seu exército. 2 Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera. Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a Sua obra que criara e fizera.

      Assim foi criado tudo quanto existe no mundo, pela vontade e pelo poder de Deus. Todas aquelas maravilhas deveriam ter alguém que pudesse admirá-las e guardá-las, por isso,

15 Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e guardar.

      Nada pode existir sem regras, sem leis que facilitem o relacionamento entre as criaturas. Por esse motivo, e para testar a lealdade do homem,

16 Ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente; 17 mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

      A felicidade do homem não estava completa, e

18 Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea.

      Mas Deus não deu uma companheira imediatamente ao homem; primeiro Ele permitiu que o homem percebesse que todos os outros seres viviam aos pares, e assim notasse a falta que lhe fazia uma esposa.

19 Da terra formou, pois, o Senhor Deus todos os animais do campo e todas as aves do céu, e os trouxe ao homem, para ver como lhes chamaria; e tudo o que o homem chamou a todo ser vivente, isso foi o seu nome. 20 Assim o homem deu nomes a todos os animais domésticos, às aves do céu e a todos os animais do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.

      O carinho de Deus não permitiu que Adão esperasse mais.

21 Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou-lhe, então, uma das costelas, e fechou a carne em seu lugar; 22 e da costela que o senhor Deus lhe tomara, formou a mulher e a trouxe ao homem.

      Agora estava tudo completo e perfeito. Havia apenas felicidade naquele jardim maravilhoso onde Deus havia posto o primeiro casal para morar. Agradecido, Adão orou a Deus:

23 Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada.

      Assim foi instituído o casamento para a raça humana, com homem e mulher em situação de igualdade.

24 Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne.

      Mas havia alguém que não estava satisfeito com a felicidade daquele par.

GÊNESIS capítulo 3

1 Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?

      Eva sabia que nenhum dos animais criados falava, nem tinha inteligência, mas ainda assim deu conversa a aquele animal, que perguntava sobre o tipo de alimentação dado por Deus a Adão e Eva.

2 Respondeu a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim podemos comer, 3 mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais.

      Eva conhecia bem a vontade de Deus, e sabia das conseqüências de desobedecê-la.

4 Disse a serpente à mulher: Certamente não morrereis.

      Essa foi a primeira mentira dita sobre a terra.

5 Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal.

      Essa foi a segunda mentira, pois somos criaturas criadas pelo amor de Deus; fomos criados para a felicidade na companhia de Deus, não para ser infelizes e morrer separados dEle.

      Deus não estava sendo injusto ao dizer que a morte é a conseqüência de desobedecer a Sua vontade. Ele é o Autor da vida, e também é Ele que mantém a vida de todos os seres que existem. Quem não estiver ligado a Ele, a fonte da vida, com certeza vai morrer a morte eterna, para a qual não existe ressurreição.

      Acontece o mesmo com um rádio de pilhas ligado na tomada, que funciona perfeitamente; desligue o fio e veja quanto tempo vai durar funcionando. Quando a carga das pilhas acabar, o rádio estará “morto”. Ao dar ouvidos à serpente, Eva estava se arriscando.

6 Então, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele também comeu.

      Ao comer do fruto, foi como se Eva dissesse a Deus: “Eu não acredito no Senhor, e acho que está me escondendo alguma coisa”. Não apenas se rebelou contra Deus, mas ainda envolveu seu marido no erro. Adão sabia das conseqüências de desobedecer a Deus, e sabia que Eva, por já ter comido do fruto proibido, deveria morrer. Talvez tenha duvidado da capacidade de Deus para salvar Eva da morte, e talvez tenha achado que a vida perderia a graça sem sua companheira. E também comeu.

7 Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; pelo que coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.

      Aqueles que antes eram puros e inocentes, começaram por perceber a própria nudez, pois ao desobedecer a Deus, perderam a santidade com que tinham sido criados.

8 E, ouvindo a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim à tardinha, esconderam-se o homem e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim.

      Aqueles que antes conversavam felizes e confiantes com Deus, agora descobriram um sentimento novo: o medo de Sua santa presença, e fugiram a esconder-se.

9 Mas chamou o Senhor Deus ao homem, e perguntou-lhe: Onde estás? 10 Respondeu-lhe o homem: Ouvi a tua voz no jardim e tive medo, porque estava nu; e escondi-me.

      Descobriram que estavam nus porque haviam perdido a inocência; o pecado os havia separado de Deus, a Quem não mais tinham coragem de olhar de frente. Deus ainda era o mesmo de antes, nEle nada havia mudado. Seu amor pelo homem continuava o mesmo; o homem sim, esse havia mudado pelo pecado, e pelo pecado estava separado de Deus, condenado à morte eterna, por sua livre escolha.  Paulo, na carta aos Romanos, no capítulo 6, nos lembra:

23 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.

      Sem a intervenção divina, estariam condenados à morte. Sua única esperança era que Alguém morresse em seu lugar. Mas para a troca poder ser legalmente válida, o Substituto deveria levar uma vida sem pecado, pois do contrario deveria morrer por Seus próprios pecados, sem poder oferecer Sua vida pela de ninguém. Em todo o vasto Universo, apenas o Deus Filho, Cristo Jesus, poderia preencher tal condição, e livremente ofereceu-Se ao Pai para vir ao nosso mundo em carne, igual a qualquer um de nós, demonstrar que, por uma vida perfeita e piedosa, é possível se viver de acordo com a Lei de Deus, e então morrer pelos nosso pecados. Foi por isso que Jesus veio a esse mundo,

João 3:16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

      Foi por esse motivo, unicamente pelo amor de Deus, que Jesus veio a esse mundo. Veio para morrer pelos meus pecados, para morrer pelos seus pecados, para morrer pelos pecados do mundo inteiro,

Romanos 3:23 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

      A Palavra de Deus ensina que todos somos pecadores, mas alegre-se! Há esperança para nós. Jesus Cristo veio ao nosso mundo e resolveu esse problema.

Fiquem na paz do Senhor, e até o próximo post! 

…:::Ariane Mirabelli:::…